Usina nuclear russa aluga espaço para mineração de bitcoin

Usina nuclear russa aluga espaço para mineração de bitcoin

Empresa investiu quase US$ 5 milhões na construção de um data center próximo à usina nuclear Kalinin para oferecer para empresas interessadas na mineração de bitcoin

Usina nuclear russa aluga espaço para mineração de bitcoin

Por Redação

A Rosatom State Atomic Energy Corporation inaugurou uma fazenda de mineração de bitcoin perto da usina nuclear Kalinin em Udomlya, 320 km a noroeste de Moscou. A empresa investiu mais de US$ 4,8 milhões no projeto, que terá capacidade de 30 megawatts, segundo o Coindesk.

De acordo com Sergei Nemchenkov, chefe de data centers e produtos digitais da Rosenergoatom, uma subsidiária da Rosatom, a companhia não pretende realizar mineração. A ideia é aproveitar a oportunidade para vender eletricidade adicional a usuários de grande consumo ​​e alugar espaço para seus equipamentos.

Desse modo, o projeto será semelhante a um data center que a empresa construiu perto da usina. “Tanto os data centers quanto as mineradoras são grandes consumidores de energia com uma demanda estável. Para nós, é uma maneira de diversificar”, disse.

A Rosatom é a primeira grande entidade relacionada ao governo a ingressar no setor de mineradoras na Rússia. Com planos de eventualmente abrir 240 megawatts ou mais de sua potência de vários locais para o setor, a empresa pode se tornar um player notável no mercado global.

Para se ter uma ideia do volume de produção, as instalações da gigante chinesa de mineração Bitmain em construção em Rockdale, Texas, devem começar com uma capacidade de 25 a 50 megawatts. Eventualmente, poderá expandir para 300 megawatts. Outra instalação sendo construída na mesma cidade começaria com 300 MW e chegaria a 1 gigawatt. Ambos estão reivindicando o título de maior do mundo.

“Tanto os data centers quanto as mineradoras são grandes consumidores de energia com uma demanda estável. Para nós, é uma maneira de diversificar”

mineracao de bitcoin
Eletricidade para mineração de Bitcoin custará 5 centavos de dólar

A eletricidade para os mineradores custará de 4 a 5 centavos de dólar por quilowatt-hora. Este não é um dos preços mais baixos praticados, se comparado com outros países. Em algumas regiões da China e do Cazaquistão, por exemplo, é possível encontrar taxas inferiores a 4 centavos.

Mas a Rosenergoatom quer comercializar o projeto, antes de tudo, como uma maneira legítima e respeitável de minerar criptomoedas, diretamente na propriedade do produtor de energia.

Para encontrar clientes, a Rosenergoatom estabeleceu uma parceria com a ECOS-M, uma empresa de hotéis de mineração que serve como intermediária entre o local e os mineiros. Fundada em 2017 na Armênia, a ECOS-M começou construindo um local de mineração perto da usina termelétrica Hrazdan do país.

Até agora, o ECOS-M instalou dois contêineres em Hrazdan, mas espera expandir-se significativamente, já que a capacidade potencial do local é de até 200 megawatts, disse Ilya Goldberg, sócio-gerente do ECOS-M. Mas a parceria com a Rosenergoatom, que ele diz ser “muito confortável” para o ECOS-M, é ainda mais promissora.

Se o ECOS-M conseguir preencher o campo rapidamente em Udomlya, o Rosenergoatom abrirá outros locais para mineração, disse Nemchenkov. “Esta é a empresa que estamos planejando percorrer um longo caminho”, disse ele.