O colapso da plataforma Terra (LUNA) não passou despercebido pela SEC dos Estados Unidos. De acordo com a comissão que investiga o mercado financeiro, existem evidências de lavagem de dinheiro na Terraform Labs.

Conhecida como desenvolvedora da Terra (LUNA) e da TerraUST (UST), a Terraform Labs está sendo investigada pela SEC. A Comissão de Valores Mobiliários (SEC em inglês) havia alertado sobre a sustentabilidade do projeto da stablecoin algorítmica UST antes do colapso na rede.

Sendo assim, a comissão apontou que o projeto pode ter lavado dinheiro dos usuários. A SEC fala que Do Kwon, responsável pela Terraform Labs, está envolvido no desvio de valores da plataforma cripto.

No total, Do Kwon pode ter sacado US$ 80 milhões mensalmente do projeto Terra. Este valor seria gasto supostamente com despesas operacionais do projeto. A SEC concluiu que os criptoativos foram transferidos para inúmeras carteiras digitais.

Além disso, a transferência dos recursos aconteceu meses antes do colapso da UST. Outra investigação da SEC sugere que Do Kwon utilizou um serviço de blockchain para comprar títulos nos Estados Unidos, violando o Security Act.

Dinheiro foi lavado antes do colapso da rede Terra

Em maio de 2022, o protocolo Terra entrou em colapso após enfrentar dificuldades para prover liquidez para a stablecoin UST. Com o problema, a UST que deveria ter o preço atrelado ao dólar, viu sua cotação despencar vertiginosamente no mercado cripto.

Assim como a stablecoin, a LUNA enfrentou forte desvalorização no mesmo período, perdendo mais de 99,99% do preço. Portanto, em busca de salvar o projeto a blockchain foi dividida em duas, criando um novo token e transformando a LUNA, em Luna Classic (LUNC).

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.