Lar do Crypto Valley, polo que atrai empresas do setor crypto na Suíça, o Cantão de Zug vem chamando a atenção dos investidores. A região busca atrair negócios como forma de movimentar sua economia, bastante restrita em função das pequenas dimensões do cantão, com apenas 238,7 quilômetros quadrados. Para se ter uma ideia, a cidade do Rio de Janeiro tem 1.200 km², enquanto a capital paulista tem 1.521 km², conforme dados do IBGE.

O Cantão de Zug registrou um Produto Interno Bruto (PIB) de 18,92 bilhões de francos suíços em 2017 (dado mais recente disponível, publicado no fim de 2019). Isso equivale a R$ 112,85 bilhões. Ou seja, embora Zug tenha cerca de um quinto da área da cidade do Rio de Janeiro, seu PIB em reais não fica tão distante dos R$ 364,05 bilhões dos cariocas.

Em Zug, a maior parte da mão de obra (78,7%) trabalha no setor de serviços. É neste setor que estão as empresas de crypto, o destaque da região. Em segundo lugar fica a indústria, com 19,7% dos trabalhadores. A agricultura, por sua vez, emprega apenas 1,6% da força de trabalho, com 1.866 pessoas, segundo dados de 2018. Naquele ano, havia 18.200 negócios em funcionamento no Cantão de Zug.

População do Cantão de Zug é 100% urbana

A população de Zug — que é 100% urbana — vem crescendo e dobrou de tamanho nos últimos 40 anos, diz o site do cantão. Apesar disso, ela ainda é bem pequena. No fim de 2018, ela era de 126.837 pessoas. Dados mais recentes de Rio e São Paulo mostram que essas cidades tinham, respectivamente, 6,32 milhões e 11,253 milhões de habitantes.

A principal idioma no cantão é sua língua oficial, o alemão (resposta de 80,9% das pessoas), com o inglês em segundo lugar (11,3%), mostram informações do Escritório Federal de Estatística. Essa importância do inglês entre os idiomas locais pode ter explicação em outra característica de Zug: a forte presença de estrangeiros. Estes compõem 28,3% da população e vêm de 120 países diferentes, aponta o site do cantão.

Turismo vai de cavernas a cervejaria

Uma das atividades que movimentam a economia em Zug é o turismo. Há diversas opções, apesar das proporções pequenas do cantão. Há de museus a passeios de barco pelo Lago Zug. Além disso, é possível explorar as cavernas Höllgrotten, com valores a partir de 6 francos suíços para crianças e 12 francos suíços para adultos. Há, ainda, passeios com guias para conhecer pontos como a cidade velha de Zug (capital do cantão) e uma cervejaria local.

Se depois de tantas atividades bater uma fome, o Zug Tourist Board lista algumas das especialidades locais. Entre elas estão, por exemplo, a truta do ártico, cuja pesca acontece no próprio Lago Zug, e o Zuger Kirschtorte, uma espécie de bolo de cereja. Segundo a organização, essa sobremesa existe há mais de cem anos.

O clima em Zug é convidativo para um chocolate suíço, especialmente se for um chocolate quente. Os meses mais “quentes” do ano são julho e agosto, segundo o Meteoblue. No entanto, a temperatura máxima é de, em média, 23°C. Nos meses de inverno, as mínimas podem ficar abaixo de zero. Não é à toa que o Zug Tourist Board tem uma seção de seu site dedicada a atividades para tempo ruim.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.