Imagine que um desenvolvedor de um determinado criptoativo compre grande parcela de sua própria moeda digital, fazendo com que o seu preço aumente muito (e muito rapidamente) em função de um suposto interesse do mercado.

Isso acaba chamando a atenção de investidores, que compram a moeda. Logo em seguida, quem está por trás do ativo vende quase a sua totalidade, derrubando o preço e causando um grande prejuízo para quem havia apostado no token. Esse é um golpe já conhecido no universo cripto, chamado de “rug pull” – ou puxada de tapete, na tradução para o português.

De acordo com um relatório da Chainalysis, 40% das fraudes com criptomoedas relatadas no ano passado podem ser enquadradas nessa categoria. O golpe, basicamente, consiste em estimular a entrada de investidores, seguida da liquidação dos ativos, sendo que o lucro, para quem efetua a venda, decorre de uma manobra artificial.

Cuidado com projetos que chamam a atenção

Esse tipo de golpe vem se tornando frequente com os ICOs (oferta inicial de criptomoedas) e projetos de NFT e DeFi (finanças descentralizadas), segundo Rudá Pellini, cofundador da Wise&Trust.

Um ponto de atenção são os projetos que chamam a atenção, com nomes ou alusão a coisas com grande destaque na mídia. “Os rug pulls costumam acontecer com moedas digitais que têm nome de algo que está em alta, como uma série”, explicou Lucas Passarini, trader do Mercado Bitcoin, à Reuters, exemplificando com o caso da moeda squidCoin, criada com base na série Squid Game (Round 6, no Brasil).

Por isso, vale a pena ter alguns cuidados antes de cair em armadilhas. Por exemplo, é preciso desconfiar de promessas de ganhos e valorizações exorbitantes. Anúncios que prometem ganhos rápidos e acima da média do mercado merecem cautela e investigação detalhada do projeto.

Além disso, é importante analisar o white paper do token, conhecer as comunidades, observar se existe um marketing excessivo e verificar se as criptos possuem sites falsos ou parecidos com os de projetos já conhecidos. Se uma única carteira detiver o maior percentual do ativo, vale manter o pé atrás, pois isso pode ser um possível indicativo de fraude.

Caso da LUNA foi um rug pull?

A trajetória da LUNA (Terra), cuja cotação, em maio, chegou a praticamente zero (caindo de cerca de US$ 120 no início de abril), não pode ser, segundo Passarini, comparada a um rug pull. “É normal que quando um ativo vai para zero surjam teorias de que foi alguma fraude ou roubo”, disse.

Porém, o colapso da LUNA, aparentemente, foi atribuído ao fato de o token ser uma stablecoin algorítmica. Mesmo assim, a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos está investigando a Terraform Labs por suposta lavagem de dinheiro.

 

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.