Apesar da rentabilidade dos investimentos de renda fixa estar em queda, ainda é possível encontrar alternativas para garantir ganhos.  A opinião é de especialistas que participaram do primeiro dia da MoneyWeek, live que debateu o corte da taxa Selic.

“É preciso estudar um pouco mais para buscar as melhores opções “, afirmou a coordenadora de análise de renda fixa da XP Investimentos, Camila Dolle.

A orientação é que as pessoas comecem a estudar, a se informar e iniciem por investimentos mais conservadores, para extrair o máximo valor dentro do próprio perfil.

“Antigamente era só deixar os recursos em uma aplicação passivamente e ela rendia até dois dígitos. Agora não mais”, complementou Rafael Zlot, gestor de Renda Fixa do Banco Plural.

Segundo os especialistas, depois do início da pandemia da Covid-19, papéis de crédito privado, como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Certificados de Recebíveis Agrícolas (CRA) e Debêntures começaram a oferecer retornos mais interessantes.

Antigamente era só deixar os recursos em uma aplicação passivamente e ela rendia até dois dígitos. Agora não mais.

De acordo com Rafael Zlot, algumas empresas e bancos passaram a pagar prêmios até maiores do que antes, sobretudo para prazos mais longos.

Para ambos especialistas, essas opções devem ser olhadas depois de garantida a reserva de emergência, e sendo consideradas ainda a falta de liquidez e a possibilidade de perdas. Para eles, recursos que precisam ficar disponíveis para necessidades urgentes devem ser mantidos em aplicações conservadoras, apesar da baixa rentabilidade.

Os especialistas lembraram que as aplicações em renda fixa não são isentas de perdas e que é necessário conhecer os riscos que esses investimentos oferecem.

“O investidor tem que saber desses riscos, e prestar atenção principalmente com relação aos prazos”, observou Camila Dolle.

Renda fixa em queda exige investimentos alternativos

Recentemente, no webinar Ativos Alternativos: do Urânio aos Ativos Digitais, investimentos em ativos alternativos foram citados como excelentes alternativas de diversificação de portfólio. E hoje há diversas opções de comprar esses ativos de forma digital, por meio do que se conhece como tokenização, com grande liquidez.

Segundo os debatedores, o mercado de ativos alternativos está em franco crescimento. Um exemplo que causou bastante interesse dos participantes foi o urânio. A exemplo do bitcoin, o mineral tem uma grande expectativa de valorização, já que sua oferta está diminuindo e a demanda crescendo. Essa assimetria faz do mineral uma das grandes apostas de valorização nos próximos anos.