Países com viés autoritário adotam posturas refratárias às crypto

Países com viés autoritário adotam posturas refratárias às crypto

Embora cada vez mais aceitas em economias liberais, criptomoedas enfrentam resistência em países com viés autoritário; conheça alguns que querem bani-las

Países com viés autoritário adotam posturas refratárias às crypto

Por Redação

As criptomoedas vêm ganhando espaço em aceitabilidade em todo mundo, sobretudo em economias mais liberais. No entanto, em alguns países elas vêm enfrentando forte resistência. Principalmente porque tira um dos mecanismos de controle do Estado sobre seus cidadãos. Rússia, China e Índia são alguns deles. Ou sejam países com forte viés autoritário. Conheça alguns desses exemplos de países que querem banir as criptomoedas:

China pretende banir a mineração de criptomoedas

Em abril, foi notícia em todo o mundo que a China pretende proibir a mineração de bitcoins no país. Se isso realmente acontecer, a segurança da rede pode ser posta em perigo. Embora nunca tenha sido hackeado, o bitcoin depende de um grande número de máquinas ligadas para manter sua característica de descentralização. No entanto, grandes oportunidades podem advir dessa proibição chinesa. A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) aguarda opiniões de uma lista de indústrias que ela gostaria de encorajar, restringir ou eliminar. A lista foi primeiramente publicada em 2011 e revisada nesse ano.

Criptomoedas tiram poder de Estados autoritários

A Rússia é mais um dos países que querem banir as criptomoedas. O membro do Partido Comunista da Federação Russa, Nikolai Arefiev, afirmou que as criptomoedas têm potencial para arruinar governos. Ele destacou que os criptoativos foram criados para esconder dos governos grandes ativos em offshores. Arefiev, que é executivo do comitê da Duma (Assembleia Federal Russa), ainda alertou o público contra o capital especulativo, dizendo que ele representa mais de 90% da economia global. Segundo ele, o bitcoin é parte dos esquemas especulativos, que criam “dinheiro por dinheiro” e não produz qualquer produto. A opinião vinda de um funcionário do parlamento russo não surpreende, já que o país tem vocação autoritária.

França pode banir criptomoedas baseadas em privacidade

Torre Eiffel

Recentemente, na França, o Comitê Financeiro da Assembleia Nacional sugeriu que eles podem estar pensando em banir as criptomoedas baseadas em privacidade. Ou seja, as crypto como monero, dash, bitcoin private e a recente grin podem ficar de fora da regulamentação francesa.

Político quer banir criptomoedas nos EUA

Em uma recente sessão na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, o democrata Brad Sherman incentivou outros deputados a aprovarem uma nova lei que pretende proibir a compra, detenção e uso de criptomoedas por americanos. De acordo com Sherman, a medida é necessária porque supostamente o objetivo dos usuários das criptomoedas é retirar o poder que o país exerce por meio do dólar, que por ser uma moeda padrão utilizada mundialmente, confere muita influência internacional aos Estados Unidos. De fato, as criptomoedas visam a tirar poder dos Estados e bancos e dá-los aos cidadãos, hoje reféns dos bancos centrais e privados.

Governo da Índia quer proibir criptomoedas

Taj Mahal

Na Índia, as criptomoedas podem virar caso de prisão. De acordo com notícia divulgada em junho, o país pode ser o primeiro do mundo a criminalizar todas as atividades da criptoeconomia. O governo indiano propôs uma pena de um a dez anos de prisão para quem praticar qualquer operação com criptomoedas. De acordo com reportagem, o projeto de lei foi sugerido por um painel liderado pelo Secretário de Assuntos Econômicos da Índia, Subhash Chandra Garg. Então, na Índia, pode ser que haja o decreto que proibe gerar, minerar, manter, comprar, vender ou transferir criptomoedas e qualquer atividade de negociação direta e indireta no mercado.