Votado pelo Senado norte-americano em 6 de março, o pacote de estímulos que injetará US$ 1,9 trilhão na economia poderá ser um alívio imediato para os cidadãos e governos locais, em um primeiro momento. Porém, no longo prazo, o risco é de desvalorização do dólar

Afinal, mais dinheiro no mercado não quer dizer, necessariamente, que o consumo aumentará na mesma medida. Isso porque, com o prolongamento da crise decorrente da Covid-19, os consumidores estão receosos e inseguros quanto ao futuro. 

Portanto, as intervenções feitas pelos Bancos Centrais (não apenas dos EUA, mas de todo o mundo), embora tragam liquidez imediata, acalmando investidores, não necessariamente reduzem a crise econômica. 

Injeção de recursos será a terceira desde o início da pandemia

O pacote aprovado pelo Senado dos EUA ainda precisará passar por votação na Câmara dos Deputados antes da sanção presidencial. De qualquer forma, se efetivamente houver a injeção dos recursos, será o terceiro aprovado pelo Congresso desde que começou a pandemia, há um ano.

A iniciativa inclui pagamentos diretos de US$ 1,4 mil aos contribuintes com rendimentos inferiores a US$ 80 mil anuais, mais fundos para os governos locais e estatais, compra de vacinas e reabertura de escolas. 

Além disso, o pacote prevê US$ 415 bilhões para impulsionar a resposta ao coronavírus e a vacinação contra a Covid-19, cerca de US$ 1 trilhão para alívio direto às famílias e, aproximadamente, US$ 440 bilhões para pequenas empresas e comunidades particularmente atingidas pela pandemia.

Criptoativos são alternativa para proteger o capital da desvalorização do dólar

O reflexo da injeção de dólares no mercado é a sua desvalorização ante outras moedas. Em 2020, ano em que foram emitidos mais dólares, sua cotação caiu em relação às principais moedas do mundo (com poucas exceções, como o real brasileiro). 

Segundo o Bloomberg Dollar Index (BBDXY), índice que mede o desempenho do dólar ante uma cesta de moedas globais, incluindo de países emergentes, a queda foi superior a 12% no ano passado.

A depreciação representa uma oportunidade para o mercado de criptomoedas, uma vez que tais ativos se baseiam na escassez programada, da mesma maneira que o ouro tem um limite natural, ou seja, é um recurso finito. Como os cenários econômicos de todo o mundo apontam para um período prolongado de recessão, investir seus recursos em criptoativos pode ser a melhor estratégia para protegê-los da desvalorização.   

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.