Quem são as mulheres que estão se destacando nas criptomoedas

Quem são as mulheres que estão se destacando nas criptomoedas

Presença de mulheres de destaque no mercado de criptomoedas e blockchain é crescente e elas já chegam melhores preparadas que os homens

Quem são as mulheres que estão se destacando nas criptomoedas

Por Redação

Ao contrário do que muitos imaginam, as mulheres também estão atentas ao mercado de criptomoedas. E alguns nomes já se destacam como personalidades que estão fazendo história nesse setor, segundo matéria publicada pela Glamour.

Esta geração de mulheres empresárias, tendo assistido os homens serem donos do espaço tecnológico, atuam para manter o nível de concorrência. Assim, a ideia é que a redução da diferença de gênero resultará em uma tecnologia mais inclusiva.

“Os homens que observei disputando influência não são muito entendidos em tecnologia. As mulheres em tecnologia, no entanto, tendem a superar seus objetivos, estudar mais e expandir seus conhecimentos legitimamente, apenas para que possam entrar nesse espaço”, afirma Tavonia Evans, que trabalhou na indústria de tecnologia por quase 20 anos antes de lançar sua própria criptomoeda, chamada $ Guap.

Conheça mulheres que se destacaram no mercado de criptomoedas


Kathleen Breitman

Co-fundadora e CEO da Tezos, Kathleen Breitman, liderou um projeto de US$ 230 milhões, o que na época foi um número recorde. Tratava-se de uma venda pública, em julho de 2018, na qual ela desenvolveu a maior parte do protocolo da empresa. Após uma série de entraves, o projeto agora está prestes a decolar rumo ao sucesso.


Connie Gallippi

Ela teve sua ideia enquanto lavava as mãos em uma banheiro de um seminário sobre criptomoedas. Connie Gallippi pensou que a comunidade Bitcoin precisava de uma organização filantrópica e decidiu que ela comandaria essa fundação, batizada de BitGive.

A partir daí ela criou a plataforma, GiveTrack, disponível no site BitGive que utiliza a tecnologia Bitcoin para responsabilizar as instituições de caridade pelas doações que recebem. Como o Bitcoin registra publicamente todas as transações já feitas no sistema, a GiveTrack pode usar esse registro para mostrar às pessoas que fazem doações exatamente onde seu dinheiro é gasto. O GiveTrack foi lançado em outubro e ainda está sendo testado.


Elizabeth Rossiello

Se há uma mulher que reflete o alcance internacional e a relevância da revolução das criptomoedas, essa é a Elizabeth Rossiello. Originalmente natural de Queens, Nova York, Rossiello vive em todo o mundo e atualmente administra uma das empresas mais conhecidas no espaço de criptomoedas. Trata-se da BitPesa, lançada por Elizabeth em 2013, aos seus 31 anos. A empresa usa a blockchain do bitcoin para tornar mais fácil e rápido o pagamento entre moedas africanas e o resto do mundo.

“Os homens que observei disputando influência não são muito entendidos em tecnologia. As mulheres em tecnologia, no entanto, tendem a superar seus objetivos, estudar mais e expandir seus conhecimentos legitimamente, apenas para que possam entrar nesse espaço”

Consumidores negros e alunas do ensino médio


Tavonia Evans

Quando Tavonia Evans teve a ideia da nova criptomoeda $ GUAP, as primeiras pessoas para quem ela contou foram os filhos. E isso faz sentido, porque essas são as pessoas que ela espera ver usando suas moedas. O $ GUAP foi projetado especificamente para atender consumidores negros e recompensar comportamentos de gastos que mantêm o dinheiro circulando em um ecossistema de empresas pertencentes a negros.


Tess Rinearson

Tess Rinearson percebeu que os universos de finanças e de tecnologia eram dominadas por homens, o que poderia levar algumas mulheres a desistirem de ingressar no setor. Por isso, aos 24 anos, ela assumiu a missão de envolver mais mulheres nesses setores, começando por estudantes do ensino médio.

Desse modo, ela colaborou com o Girls Who Code para ensiná-los sobre Bitcoin, envolvendo mulheres no mercado de criptomoedas. Em seguida, lecionou um programa no MIT Media Lab que introduziu estudantes universitários de origens sub-representadas na tecnologia blockchain. Assim, Rinearson também vem trabalhando para tornar todas as criptografias mais acessíveis. Ela mantém um blog no Medium e até criou um guia explicativo do Bitcoin, cheio de com emojis.

Lista de mulheres no setor de criptomoedas não se esgota

Esta é apenas algumas das mulheres que lideram no mercado de criptomoedas. Por este Panorama, já passaram outros nomes de destaque, como Nadia Alvarez, da MakerDao, Juliana Walenkamp, da Transfero, Fabiane Verçosa, da CMT Law e muitas outras.