Plataforma usa a blockchain para monitorar cadeia de vinho

Plataforma usa a blockchain para monitorar cadeia de vinho

Empresa cria sistema que cria uma identificação física única para cada produto, tornando economicamente inviáveis falsificações e desvios

Plataforma usa a blockchain para monitorar cadeia de vinho

Por Redação

Para o vinho chegar à mesa, existe um longo caminho. Desde a colheita até o momento do engarrafamento, são passadas várias etapas de produção do vinho. Pois uma plataforma baseada em blockchain e internet das coisas permite o monitoramento da cadeia de produção de vinho e outras bebidas por produtores e clientes. Essa é proposta da Acatena, empresa que participou da CryptoValley Conference, em Zug, na última semana de junho.

Segundo a empresa, a plataforma torna economicamente inviáveis as falsificações, desvios de produtos e fraudes. Além disso, dá acesso a um banco de dados do cliente final, permitindo o estabelecimento de um canal direto com ele.

O sistema faz esse monitoramento criando identificadores únicos para os produtos. Esses identificadores são registrados na blockchain, que por sua característica é um sistema imutável e transparente. Assim, qualquer pessoa em qualquer etapa da cadeia pode ter acesso a todas as informações históricas do vinho.

Monitoramento da cadeia de produção de vinho também por consumidores

cacho de uva

Além disso, os consumidores têm a sua disposição um aplicativo, pelo qual  são recompensados por interagirem com as marcas.  Parceiros licenciados na cadeia de produção das bebidas também têm à sua disposição um app para fazerem todo o monitoramento.

Um projeto foi lançado como uma versão piloto para quatro marcas de bebidas. A primeira plataforma para os produtores será lançada ainda neste terceiro trimestre. São esperadas também parcerias com associações de produtores da União Euripeia nesse período.

Para o ano que vem, no segundo trimestre, a empresa espera lançar um token de futuros de vinho. No quarto trimestre, será a vez de marcas premium de bebidas destiladas.

“Nós imaginamos um mundo no qual o consumidor não prove apenas uma taça de vinho ou gim, mas toda a jornada do produto”, afirma o CEO da empresa,  Matteo Panzavolta.