Descubra como funciona a mesa de operações da Transfero Swiss

Descubra como funciona a mesa de operações da Transfero Swiss

Mesa de operações é o coração das decisões de trading tomadas pelos analistas da Transfero; veja como é o dia a dia dessa equipe

Descubra como funciona a mesa de operações da Transfero Swiss

Por Redação

Nós já mostramos aqui como a Transfero lida com a segurança dos recursos dos seus clientes. Mas você sabe como a empresa opera diariamente? O coração da atividade que envolve a gestão ativa de recursos é a mesa de operações da Transfero. Nela são tomadas as principais decisões de trading diárias buscando obter retornos acima do mercado de bitcoin para os clientes.

Um grupo de seis a oito pessoas se reúne diariamente por volta das 10 e meia da manhã numa espécie de sala de guerra da empresa. Ali, os analistas avaliam o comportamento do mercado no dia anterior e a previsão para os próximos dias. A partir dos debates iniciados nessa reunião, o head de Investimentos, Carlos Franco Russo, toma a decisão de trade para o dia. As estratégias são publicadas com alguma frequência no Trading View.

+Leia também:
– Carteiras da Transfero têm ótima rentabilidade em junho
– Transfero lança o BRZ, primeira stablecoin pareada com o real
– Transfero aprimora comunicação com seus clientes

Short ou long? Eis a questão

A decisão a ser tomada basicamente envolve apostar contra ou a favor do mercado. Se, após as análises dos gráficos, os técnicos entenderem que a tendência é de baixa, eles fazem as operações de short. Ou seja, operam vendidos, apostando que o preço irá cair e que poderão recomprar barato e obter lucro nessa diferença. Por outro lado, se a tendência for de alta, ou bullish, a mesa opera comprada, ou seja, compra barato para poder vender caro.

Análise dos gráficos
Além disso, os técnicos operam com uma visão de ganhos no curto, médio e no longo prazo. Geralmente, há pelo menos um analista exclusivo para cada uma das estratégias. No mercado de bitcoin, contudo, diferente de outros mercados, curto prazo significa operar com uma visão de dias, enquanto médio prazo são semanas e longo prazo são meses.

Sendo assim, operar uma mesa de bitcoin ou outra criptomoeda não difere em nada em operar numa mesa de trade no mercado de ações. A diferença são os ativos negociados e as plataformas.

Mesa de operações da Transfero busca otimizações

Além das decisões tomadas por traders, a firma também lança mão de programação em python para tentar otimizar os resultados dos seus trades. O processo completo envolve a seleção de estratégias, seu respectivo teste com dados passados e uma análise estatística criteriosa para a escolha das estratégias vencedoras antes de sua adoção através de robôs criados especificamente para este fim.

A automação se dá por meio da integração dos algoritmos de trade com as exchanges para que a tomada de decisões se dê de forma autônoma – sem a interferência do trader e de acordo com inputs pré-definidos – buscando aumentar a eficiência da estratégia escolhida.

“Estamos sempre buscando melhorar nossas estratégias e, para isso, lançaremos mão, em breve, dos mais diferentes recursos à nossa disposição, como o machine learning, análise sentimental e outros”, comenta o head de Investimentos da Transfero Swiss, Carlos Franco Russo.

As estratégias de trade são basicamente voltadas para o TSAG Advanced, estratégia que busca superar o mercado de criptoativos por meio da avaliação macro sobre os ciclos do bitcoin e análises técnicas e estatísticas.