Um investidor de dogecoin (DOGE) está processando o bilionário Elon Musk. De acordo com o processo judicial, ele pede uma indenização de US$ 258 bilhões. Além disso, o usuário acusa o criador da Tesla de movimentar um esquema de pirâmide financeira com o criptoativo.

O processo judicial contra Elon Musk foi apresentado recentemente em um tribunal da Justiça de Manhattan, nos Estados Unidos. O investidor Keith Johnson acusa o bilionário de extorsão.

Segundo a acusação, Elon Musk é responsável por inflacionar o preço da dogecoin através de mensagens no Twitter. Além do bilionário, o processo judicial cita a Tesla e a SpaceX como réus.

Keith Johnson afirma que a dogecoin não possui valor e que Elon Musk saberia disso desde 2019. Sendo assim, o bilionário é acusado de promover o criptoativo em busca de lucrar com sua suposta valorização no mercado.

A acusação cita ainda que Elon Musk usou sua posição como “homem mais rico do mundo” para influenciar o preço da dogecoin. Para o investidor, o bilionário movimentou um esquema de pirâmide com o criptoativo “para lucro, exposição e diversão.”

No total, Keith Johnson pede uma indenização de US$ 258 bilhões para os réus. Ele afirma que US$ 86 bilhões correspondem a perdas sofridas pela desvalorização do criptoativo desde maio de 2021.

Além disso, o investidor norte-americano solicita um valor por danos morais, que corresponde a US$ 172 bilhões. No processo judicial, ele pede ainda que Elon Musk, Tesla e SpaceX sejam proibidas de divulgar a dogecoin.

Keith Johnson solicitou também para a justiça que o criptoativo seja classificado como jogo de azar. Ele sugere que o Estado de Nova York crie uma lei específica para essa classificação.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.