As soluções de digital payment oferecidas pela Transfero são tanto para brasileiros que precisam fazer operações no exterior quanto para ajudar empresas estrangeiras querendo operar aqui, explica o CEO da companhia, Thiago Cesar. Em palestra no CryptoValley Festival 2020, ele afirmou que, por meio do BRZ, os brasileiros conseguem fazer pagamentos no exterior de maneira legal, contornando restrições brasileiras. Além disso, a companhia viabiliza de forma segura e legal que empresas estrangeiras do setor financeiro operem no Brasil.

Segundo o executivo, com a proibição a contas em dólar no Brasil — assim como em outros países da América Latina — e as restrições à movimentação de capital entre países, há empecilhos para brasileiros fazerem pagamentos internacionais. Assim, a primeira saída de muitos foi usar o bitcoin para essas transações, mas dessa forma o investidor fica exposto ao mercado de ativos digitais. Com o BRZ, é possível fazer essas operações sem se expor à volatilidade do mercado de ativos digitais.

Soluções da Transfero permitem operação legal de estrangeiras no Brasil

Já para as empresas, as soluções da Transfero possibilitam uma operação no Brasil dentro da legalidade. Funciona da seguinte forma: ao fechar uma parceria com uma empresa estrangeira, a Transfero abre uma subconta num banco local em que já possui conta. Esta subconta permanece sob o nome da Transfero, mas passa a ser exclusiva para o parceiro internacional.

“Com essa subconta aberta, este parceiro internacional pode receber pagamentos de brasileiros e transferências locais”, esclarece Cesar. Ele ressalta que tudo é feito com a ciência tanto do banco quanto dos reguladores.

Assim, quando um brasileiro deposita um valor na subconta, as soluções da Transfero informam à empresa estrangeira quantos BRZ aquela pessoa deve receber.

BRZ em cartões de débito

O executivo contou que a Transfero quer aumentar a usabilidade do BRZ. “Um de nossos objetivos é ter o BRZ em dois ou três grandes cartões de débito crypto ainda este ano. Estamos quase lá, estamos em um”, comemora.

Além disso, a empresa trabalha para melhorar a transparência da stablecoin. A empresa divulga em breve, pela primeira vez, sua auditoria de reservas, comprovando que há, no mínimo 1 real em conta para cada BRZ emitido.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.
Um token pareado ao Real Brasileiro