Em 15 de abril, o Ethereum passou por uma atualização, que foi chamada de ‘Berlin’, cujo objetivo foi trazer melhorias para a rede, com a reestruturação de taxas. 

“Esse é um problema que está sendo combatido pelos desenvolvedores da rede ETH, que é justamente a escalabilidade. Os gas fees estão enormes”, disse o head of Business Development Latam da Transfero, Julian Lanzadera.

De acordo com o especialista, se as atualizações realmente tiverem o efeito de promover maior eficiência na rede do Ethereum, tornando-a mais barata e rápida, os detentores de BRZ também devem ser beneficiados. “O BRZ foi emitido na blockchain do Ethereum e sua maior parte circula nessa plataforma. Assim, à medida que as atualizações a deixam mais eficiente, com custos de transação menores, o BRZ se torna mais atrativo”, explicou. 

Atualizações do Ethereum devem reduzir taxas

A atualização de abril aconteceu no bloco 12.244.000 do Ethereum, incrementando, na rede principal, as Propostas de Melhorias do Ethereum (EPI, na sigla em inglês), que estavam em teste desde março. 

Os testes tiveram o objetivo de agilizar alguns processos da rede, o que proporciona impacto direto na redução das taxas de gas. Esse tem sido o principal problema do Ethereum, desde que seu  ecossistema passou a ser usado por grande parte das aplicações de DeFi (finanças descentralizadas) e também pelas NFTs.

As novas atualizações do Ethereum (EIP-2565, EIP-2929, EIP-2930 e EIP-2718) devem reduzir taxas e introduzir um novo tipo de negócio – neste caso, a exchange vai poder combinar transações e custodiar as taxas para o usuário.

Em julho, Ethereum passará por outro hard fork

Apesar de o atual ajuste melhorar as taxas da rede, com os congestionamentos pode ser que as transações voltem a ficar mais caras. Por isso, está previsto um novo ajuste para julho, apelidado de ‘Londres’, que deverá incorporar o EIP-1559, uma proposta que reduzirá o fornecimento de éther.

Eram previstas quatro grandes alterações no sistema Ethereum, por meio das chamadas EIP, sendo que a primeira foi a ‘Berlin’. Com a mudança, o aumento de taxas não vai mais fazer sentido para os mineradores, que ganharão apenas o ether gerado no bloco minerado. A partir da fase ‘Londres’, as operações para aprovação dos blocos da blockchain se tornarão mais complexas, o eleva o custo por parte do minerador.

Na terceira etapa prevista, várias operações pequenas poderão ser compiladas em uma única transação, diminuindo ainda mais o custo de operação.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.
Um token pareado ao Real Brasileiro