Concurso para diplomata exige conhecimento das criptomoedas

Concurso para diplomata exige conhecimento das criptomoedas

Interessados no cargo de diplomata no Brasil agora precisam ter conhecimentos sobre criptomoedas, blockchain e o impacto dessas tecnologias na economia mundial

Concurso para diplomata exige conhecimento das criptomoedas

Por Redação

Interessados no cargo de diplomata no Brasil agora precisam ter conhecimentos sobre criptomoedas, blockchain e o impacto dessas tecnologias na economia mundial. Os requisitos passaram a ser exigidos pelo Instituto Rio Branco e os temas estão relacionados às questões de política internacional.

Para serem aprovados no Concurso de Admissão da Carreira de Diplomata (CACD), os candidatos precisam passar por uma primeira fase, que é composta por 73 questões de certo e errado em oito áreas do conhecimento. Desse total, doze serão sobre política internacional. Dentre essas, é possível que pelo menos uma pergunta seja ligada à criptomoedas ou blockchain.

Criptomoedas e blockchain na prova discursiva para diplomata

Os próximos concursos serão realizados em setembro. Os temas sobre criptomoedas e blockchain também poderão ser abordados na prova discursiva. Esta etapa ocorrerá na segunda e última fase do concurso.

Essa não é a primeira vez que um concurso público exige conhecimentos sobre criptomoedas. No ano passado, o bitcoin foi tema de uma questão da prova para admissão de juiz do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

+Leia também:
– Setor de blockchain e criptomoedas já é mainstream
Evento de blockchain na Suíça premia melhores projetos
6 iniciativas nas quais blockchain e energia limpa estão juntas

Salário de R$ 19 mil

O concurso prevê 56 vagas, sendo 42 para ampla concorrência. Onze serão para candidatos negros e três para pessoas com tipo de deficiência. Serão aprovados para a segunda fase os 200 primeiros colocados na primeira fase. Também é necessário ser aprovado na prova de língua portuguesa.

Os aprovados no concurso têm remuneração inicial ainda no Brasil de R$ 19.199,06 (valor bruto). Além disso, ingressarão em cargo da classe inicial da carreira de diplomata (terceiro-secretário). A aprovação será de acordo com a ordem de classificação obtida e com o número de vagas oferecidas.

Esses aprovados estarão habilitados a se matricularem no Curso de Formação de Diplomatas do Instituto Rio Branco. A conclusão desse curso “constitui condição essencial para a confirmação do servidor no Serviço Exterior Brasileiro”.

Para poder se candidatar a uma dessas vagas, o interessado tem de ser brasileiro nato, maior de 18 anos e graduado em qualquer nível superior.

A notícia foi publicada no Portal do Bitcoin.