O governo da Venezuela lançou em fevereiro de 2018 o Petro, a primeira moeda digital lastreada e emitida por um governo nacional.

O projeto foi duramente criticado em relação a sua confiabilidade e possíveis manipulações. No entanto, outros aspectos chamaram a atenção, como o barateamento dos custos para produção da moeda e maior facilidade de levantamento do dinheiro em circulação.

Close up em nota de 100 bolívares, moeda Venezuelana

Close up em nota de 100 bolívares, moeda Venezuelana (Crédito: 123RF)

Outros países tem pesquisado projetos como intuito de aplicar largamente as criptomoedas em seu território, inclusive como moeda fiduciária, visando a otimização do sistema financeiro como um todo.

+Leia também:
– Morgan Stanley estuda possibilidades com criptomoedas
– Por que o BTC está mais perto do que nunca do mercado financeiro tradicional dos EUA

Novos métodos, mais eficiência

Se a utilização das criptomoedas já parecem atrativas agora, o futuro parece ainda mais promissor. Isso se deve ao fato de que as principais criptomoedas utilizam um método de validação chamado PoW (Proof of Work). Embora muito seguro, este método não é o mais eficiente energeticamente, o que faz com que a mineração de algumas moedas, principalmente o Bitcoin, consuma grandes quantidades de energia.

A boa notícia é que a busca por novos métodos de validação que sejam mais eficientes energeticamente estão no topo da pauta dos desenvolvedores de criptomoedas. Algumas implementações já estão em fase de testes, como é o caso do Ethereum, que pretende implementar o PoS (Proof of Stake) em breve.

Com maior eficiência energética, fica cada vez mais claro que a produção de criptomoedas é mais barata do que a do dinheiro tradicional. Dan Held, co-fundador e diretor da BD at Picks & Shovels, publicou um artigo no Medium no qual demonstra que, considerando todos os gastos energéticos relacionados direta ou indiretamente na produção do dinheiro, as criptomoedas já se mostram uma alternativa mais eficiente energeticamente.

Do ponto de vista da otimização dos gastos para a produção do dinheiro, é fácil imaginar que a utilização das criptomoedas no dia-a-dia de cidadãos comuns pode estar em um futuro não muito distante.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.