O BRZ e outras quatro stablecoins se uniram para a criação da Stablecoin Alliance. A organização sem fins lucrativos é formada por emissores de stablecoins independentes não afiliados a grandes exchanges ou plataformas de trading. A associação nasce com o objetivo de acelerar a adoção e uso das stablecoins em nível mundial e defender níveis de segurança e compliance mais elevados.

Além do BRZ, fazem parte dos membros-fundadores da Stablecoin Alliance: a BiLira (Turquia), EURS (Europa), Rupiah Token (Indonésia) e Stablecorp (Canadá). Juntas, essas empresas identificaram temas comuns de interesse para expansão dos seus negócios. Além disso, os integrantes planejam criar e manter trilhas de câmbio internacional (FX) baseada em blockchain. E terem pares de trading entre as stablecoins participantes.

“Estamos muito contentes de fazer parte, desde o princípio, desse movimento de unir algumas das principais stablecoins do mundo em torno de temas que tragam mais segurança para os usuários. Acreditamos que elas têm um papel primordial em conectar pessoas e instituições ao mercado de ativos digitais, favorecendo a adoção da tecnologia blockchain no sistema financeiro internacional”, comemora o CEO da Transfero Swiss, Thiago Cesar.  

Associação pretende internacionalizar narrativa das stablecoins

Um dos objetivos da Stablecoin Alliance é levar a narrativa das stablecoins para o nível mundial, explicitando suas vantagens e ganhos potenciais. Os participantes acreditam que o segmento está em franca evolução e que cada vez mais exchanges locais vão listar esse tipo de ativo. Além disso, haverá um incentivo para a listagem das stablecoins em grandes exchanges e o apoio a novos projetos independentes.

Mundialmente, as stablecoins assumiram um papel de protagonismo em 2020. A oferta mundial cresceu 400% em relação aos US$ 5 bilhões do início do ano. A oferta total praticamente dobrou no terceiro trimestre em relação ao período anterior e o marketcap alcançou US$ 20 bilhões. Órgão de controle, como a SEC e a OCC, já emitiram orientações relativas a stablecoins pareadas a moedas nacionais e diversos países líderes, incluindo os EUA, China, Japão, Canadá e União Europeia, expressaram interesse em emitir suas próprias moedas digitais por meio de seus bancos centrais.

qualidade de vida
Avanços vão melhorar qualidade de vida das pessoas

O crescimento na curva de aprendizado tecnológico nos últimos anos favorece a adoção dos ativos digitais em nível mundial. Cada vez mais, instituições reconhecem o bitcoin como ativo, a compra de criptomoedas é facilitada e projetos como o dólar e o yuan digital começam a tomar forma. A Stablecoin Alliance acredita que esses avanços vão melhorar a qualidade de vida das pessoas antes do esperado e que chegou a hora de ampliar o entendimento sobre as stablecoins e apoiá-las.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.