O BRZ já está disponível na exchange FTX na blockchain da Solana, tornando mais rápidas e sobretudo mais baratas as transações feitas com a criptomoeda brasileira nessa plataforma. Assim, detentores desse criptoativo podem transferir seus recursos com custo perto de zero e praticamente instantaneamente entre exchanges a partir da FTX.

A diferença entre os custos de transferência é bastante significativa. Uma transação de BRZ usando o token ERC-20 (Ethereum) pode custar até R$ 50 em momentos de grande congestionamento. “É como se antes o BRZ pudesse ser transferido por DOC, que tem um custo alto, e agora pode ser transferido por PIX, com custo perto de zero”, conta o CFO da Transfero, Carlos Russo.

Com essa integração, o BRZ pode ser transferido para outras exchanges que também trabalham com a Solana, como a Blockfolio e a 3RZ. Futuramente, mais exchanges onde o BRZ está listado também vão passar a trabalhar com o token na versão Solana. A criptomoeda brasileira está listada em diversas exchanges no Brasil e no mundo.

Integração com a Solana na FTX abre caminho para levar BRZ a mais plataformas

O BRZ disponível em mais exchanges na versão Solana também abre caminho para levar o criptoativo para plataformas de crédito, onde será possível deixar bitcoin como garantia e tomar BRZ emprestado ou obter renda passiva com a criptomoeda. Plataformas como essas que funcionam sem intermediários têm se espalhado pelo universo das criptomoedas e muitas têm adotado a Solana. 

Futuramente, está prevista também a integração do BRZ com redes de cartão de crédito, nas quais os usuários poderão gastar seus recursos em qualquer estabelecimento que aceite cartão. A NovaDAX, por exemplo, já tem um cartão no qual é possível debitar dos saldos em BRZ.

BRZ vai facilitar pagamentos no exterior usando criptoativos

Por último, com o BRZ na Solana em mais exchanges será mais fácil acessar aplicações que rodam na Solana e recebem recursos em criptomoedas. Uma delas é o Maps.me, uma plataforma de reservas de viagens e hotéis que aceita depósitos na rede da Solana. “Nesse contexto, futuramente o BRZ pode facilitar pagamentos no exterior usando criptoativos, ficando menos dependente da rede da Ethereum”, pontua Russo.

A Solana é um projeto de código aberto altamente funcional, que usa a tecnologia blockchain para fornecer soluções financeiras descentralizadas (DeFi). Lançado oficialmente em março de 2020 pela Fundação Solana, sediada em Genebra, na Suíça, o projeto simplifica a criação de aplicativos descentralizados. A FTX é uma das maiores exchanges do mundo, oferecendo dezenas de pares spot e perpétuos de criptoativos bem como derivativos crypto.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.