Vários artistas, atletas e empresas da área de entretenimento estão de olho na oportunidade de monetização propiciada pelos tokens não fungíveis. Nos últimos tempos, os NFTs vendidos para fãs e colecionadores têm alcançado valores bastante significativos. 

O músico André Abujamra, por exemplo, que recentemente vendeu uma obra em parceria com o artista visual Uno de Oliveira, declarou à imprensa que os ativos digitais representam uma oportunidade para o meio artístico muito mais significativa do que a aposta em outras plataformas de streaming musical. 

“Em duas semanas, com 80 segundos de música, pelo NFT, arrecadei mais dinheiro do que com a minha carreira inteira de Mulheres Negras, Karnak e André Abujamra. Para ganhar mil dólares com o Spotify, vai demorar 37 encarnações!”, disse ele em entrevista ao jornal O Globo. Produzido juntamente com Uno, seu primeiro token, Coélhék, foi vendido por US$ 3,2 mil em ether (ETH).

Embaixador do Phonogram.me

Abujamra ficou tão satisfeito com o resultado da operação com ativos digitais que passou a divulgar a primeira plataforma de NFT musical do Brasil, o Phonogram.me. A ideia é que quem compra um token passa a ter não somente a sua exclusividade, mas também direitos sobre ele.

Isso significa que além de investir na carreira do artista, quem compra um NFT no phonogram.me, diferente dos marketplaces gringos, pode escolher se vai receber sua parte em criptomoedas ou em real. Isso, aliás, torna o esse investimento muito mais palpável para algumas pessoas.

5 mil dias, um dos mais valiosos

o artista norte-americano Mike Winkelmann foi um dos grandes destaques nesta onda de comercialização de obras por meio de NFT. No dia 11 de março, uma obra de Beeple, seu nome artístico, foi leiloada por US$ 69 milhões, na plataforma de leilões Christie’s.

A peça Everydays – The First 5000 Days é uma colagem de 5 mil imagens, uma feita a cada dia, ao longo de cerca de 13 anos.

Versões exclusivas e ingressos

A banda Kings of Leon também ganhou destaque por vender versões exclusivas do álbum “When you see yourself”, comercializadas junto a ingressos para os fãs. O grupo já arrecadou cerca de US$ 2 milhões com as vendas.

Cristiano Ronaldo vende NFT por US$ 290 mil

Não são apenas as obras de arte que alimentam o mercado de NFTs. A venda do cartão Cristiano Ronaldo Unique 20-21, do Sorare, alcançou US$ 290 mil. Por enquanto, é o NFT mais caro do mundo. 

Outros atletas também têm tokens à venda por preços semelhantes. Lautaro Martínez 2020-21, por exemplo, está à venda por US$ 256 mil; já o cartão Unique do jogador do Real Madrid, Martin Ødegaard 2020-21, está à venda por US$ 227 mil.

Aphex Twin por  US$ 127 mil

O NFT /Afx/weirdcore contém uma peça audiovisual exclusiva, com som e a imagem de Richard James, conhecido no mundo da música eletrônica como Aphex Twin. Em março, o ativo foi leiloado por 72 ETH, correspondendo a US$ 127 mil.

Crytopunks alienígenas

O Larva Labs criou cerca de 10 mil figuras que lembram jogos de computador pixelados. Algumas imagens representam humanoides, enquanto outras podem ser alienígenas, macacos ou até zumbis.

Os alienígenas são os mais raros da coleção (apenas 9 unidades em 10 mil). Isso explica porque o CryptoPunk #7804 foi vendido por US $ 7.5 milhões (o correspondente a 4,200 ETH). Mas, existem outros cryptopunks raros, como o #4156 (650 ETH) e o # 2890 (605 ETH).

Terreno no Axie Infinit

O popular jogo de blockchain Axie Infinity permite a troca de tokens por moedas fiduciárias, o que se traduz em dinheiro real. O objetivo do grupo é construir reinos e gerenciar criaturas fantásticas em uma terra imaginária conhecida como Lunacia. 

Assim, para jogar, a aquisição de novas terras é fundamental. Dá para acreditar que uma dessas áreas foi vendida por 888.5 ETH, o que corresponde a US$ 1,6 milhões?

Nyan Cat

Vendido por 300 ETH, o lendário Nyan Cat de Chris Torres é uma mistura de canções pop japonesas com memes do YouTube. 

O primeiro tuíte

O primeiro tuíte postado pelo cofundador e CEO do Twitter, Jack Dorsey, foi vendido por US$ 2,9 milhões, pagos em criptomoeda.

O tuíte, publicado em 21 de março de 2006, diz apenas “estou agora configurando meu twttr”, em inglês, foi adquirido pelo executivo Sina Estavi, diretor executivo da empresa de blockchain Bridge Oracle, sediada na Malásia.

Arte democrática

Como é possível perceber, tanto os NFTs quanto as obras de arte tradicionais e modernas são ativos especulativos. Assim, elas contam com os seus próprios ecossistemas culturais para serem valorizados. 

O interessante é que a monetização das obras se torna mais democrática, o que permite que qualquer artista coloque seus trabalhos à venda por meio do NTF, conquistando seu público e sendo valorizados por quem quer exclusividade e obras originais.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.