A blockchain vai muito além de ser uma rede na qual é possível criar e manter criptomoedas. Assim, a tecnologia apresenta uma gama de possibilidades de usos para bancos. Veja algumas desses possíveis usos abaixo.

Sistema de identificação do cliente

Cada vez que o cliente decide criar uma conta em um novo serviço financeiro, ele precisa passar por um processo de verificação de identidade. Contudo, a blockchain pode simplificar isso, diz o Fintech News.

Assim, bastaria ao usuário se cadastrar e comprovar sua identidade uma vez. Esses dados gravados na blockchain poderiam, então, ser reutilizados a cada novo cadastro.

Facilitar processos de compliance

Outro possível uso do blockchain pelo setor de tecnologia dos bancos é na área de compliance. A consultoria Deloitte lembra das exigências de medidas anti-lavagem de dinheiro (que geram custos altos para as instituições financeiras) e também as de conheça seu cliente (KYC), que podem fazer com que as operações demorem mais.

Neste cenário, algumas instituições começaram a compartilhar informação de seus clientes, mas ainda sem blockchain. No entanto, a adoção da tecnologia neste caso poderia automatizar processos, reduzindo a chance de erros. Além de eliminar a necessidade de um esforço duplicado para cumprir o KYC (que, normalmente, é feito pelas duas empresas envolvidas).

Acelerar pagamentos

Usar uma blockchain como rede de base para a realização de pagamentos permite que essas operações sejam mais ágeis e com menos custos. Assim como no exemplo anterior, em que essa tecnologia facilita a identificação dos participantes, o mesmo acontece com os pagamentos.

Vale lembrar que, apesar das transferências imediatas e sem custo, o Pix não usa a blockchain.

pagamentos
Pagamentos internacionais

Neste caso, a blockchain reduz custos e pode também tornar o processo mais rápido por dispensar a autenticação por parte de um terceiro player.

Auditoria e contabilidade

Com a blockchain, em vez de guardarem os recibos de cada transação, seria possível que as empresas registrassem essas operações em um sistema conjunto. E a criptografia protegeria os dados para garantir a privacidade — compartilhando-os apenas com as instituições devidas.

Esse sistema dificultaria a falsificação de registros, sustenta o Fintech News. E a padronização por meio do blockchain permitiria que os auditores acessem automaticamente os dados mais importantes nas declarações financeiras.

Trade Finance

O Financial Times aponta o trade finance — ou seja, o financiamento voltado para o comércio — como outra área em que os bancos podem usar o blockchain. Como esses processos ainda estão muito dependentes do papel, a blockchain pode simplificar isso, facilitando o acesso dos múltiplos participantes à informação.

Ao jornal, especialistas ressaltaram, que, para que se aproveitem essas possibilidades do blockchain, é necessário digitalizar todas as operações. Isso inclui, por exemplo, os portos e os operadores de frete — no caso do transporte marítimo internacional.

Histórico de crédito

O histórico de crédito de uma pessoa ou empresa muda as condições para que se contraia um empréstimo, por exemplo. Com o blockchain, checar este histórico seria mais rápido.

A consultoria McKinsey & Company diz que isso aumenta também os dados disponível para os bancos; assim, eles podem tomar decisões menos conservadoras.

Caso tenha algum comentário ou contribuição para o PanoramaCrypto, entre em contato com a nossa Redação.
Quer saber mais sobre o mercado crypto?